quinta-feira, 26 de agosto de 2010

O MUNDO DOS SONHOS



Zapeando por blogs me deparei com um que me chamou atenção.
Confesso que no começo achei meio estilo “HELLO KITTY”. Mas comecei a ler e vi que tinha poesia pura e alguns textos filosóficos de cunho religioso e pensamentos de outros autores (em especial Clarice Lispector).
Claro, não sou nenhum menino, fui logo ver o perfil dessa pessoa que escrevia e organizava tal página de uma forma tão singela e me deparei com o sorriso contagiante de uma menina linda, por volta dos 20 e poucos anos, nesse momento deixei um recado dizendo que ela era muito fofa. Pelo seu blog em si, naquele momento, não passava de uma jovem sonhadora com a sua cabeça fervendo de ideias e sonhos.
Daí vem à surpresa, ela tinha a minha idade, pouco mais de 30 anos, e consequentemente começou uma comunicação via MSN.
Lembro da primeira resposta dela em uma pergunta que fiz: "Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas" Antoine de Saint-Exupéry.
Fiquei meio surpreso e ao mesmo tempo foi como uma flecha em minha mente/coração. Fiquei pensando, O porquê O LIVRO DO PEQUENO PRÍNCIPE nessa conversa? Mas continuamos o nosso papo Online. Nesse primeiro dia de conversa ficaram as frases do Saint-Exupéry, confesso que fiquei obrigado em reler de imediato O LIVRO. Mesmo sabendo que minha sobrinha o tinha, não quis esperar e fui à NET baixar e o li em uma velocidade que me fez viajar.
Fiquei me perguntando como um livro feito para crianças poderia mexer tanto comigo e me senti no segundo ano do segundo grau, lendo O MUNDO DE SOFIA, mas com a diferença que O PEQUENO PRINCIPE me tocava mais fundo em sua simplicidade.
Minhas conversas com a PRINCESINHA giravam em torno do livro. Quando queríamos explicar algo um para o outro fazia uso de passagens do livro para sintetizar o que passava por nossas metes.
E ela sempre com os melhores sorrisos e ternuras que nunca conheci de ninguém, às vezes se confundia muito com o personagem do livro.
Fizemos planos de todos os tipos, mesmo morando “há anos luz” um do outro. Mas isso não foi o complicador da relação, acho que errei muito mais do que ela e tudo se acabou. Não consegui chegar a tempo ao nosso pequeno planeta para cultivar e manter aquilo que havia cativado.
FELIZMENTE, esse mundo não é feito de sonhos e nem mesmo de fantasias e veio à realidade, fez me acordar e mostrou que o mundo é mundo e nada mais.
Sou muito grato por esses momentos e a vida de sonho que tive, foi bom enquanto durou. Tornei-me uma pessoa mais amável e vivida de realidades com pitadas de ternuras, sem ela não conseguimos ser humano de verdade.

7 comentários:

Magui disse...

Uai, não entendi porque tudo acabou!Aliás, antes de começar, pelo que deduzi.Interessante...

Déborah Simões disse...

muito interessante esse teu texto...
algumas coisas realmente não têm explicação...

e muito lindo também...
adoro o pequeno príncipe...

bjok

Brunno Marcondes disse...

Aí Raima, legal o texto, uma espécie de conto nos tempos de realidade virtual1 massa!

Anônimo disse...

: )

Carmen Regina Dias disse...

Ainda vai levar um tempo pra gente aceitar que o mundo virtual é de quarta dimensão, dimensáo nova pra nós, que só a acessávamos em sonhos oníricos. Agora a experimentamos no ambiente virtual.
Liz Greene sobre que quando estamos em relação, e aqui eu incluo o relacionamento virtual, uma nova energia se faz presente, gerada pela interação dos dois campos > sutil, invisível, tanto pode ser profícuo como danoso à relação. Eu o chamo de Gasparzinho. hehe
A vida é mágica por si. Tudo é a mais pura magia acontecendo no complexo tabuleiro quântaico da existência. Desde as menores partículas que nos compõem ao macrocósmico Universo, este ainda desconhecido em sua amplitude e razáo de existir.
Peço licença para citar Rumi, poeta islâmico do Século XIII em Sama :
"Viemos girando do nada, espalhando estrelas, como pó.
As estrelas puseram-se em círculo e nós, ao centro, dançamos com elas.
Uma pedra do moinho em torno de Deus gira a roda do céu.
Segura um raio dessa roda e terás a máo decepada.
Girando e girando essa roda destrói todo e qualquer apego.
Náo estivesse apaixonada, ela mesma gritaria > "Basta!
Até quando há de seguir esse giro!"
Cada átomo gira desnorteado,mendigos circulam entre as mesas, cães rondam
Um pedaço de carne, o amante gira em torno de seu próprio coração.
Envergonhado, diante de tanta beleza, gira ao redor de mim a vergonha.

Imagino a magia que foi para esse moço lindo que você é, esse brinco de moço,
o encontro em quarta dimensão com outra igualmente bela menina,
sonhos compartilhados, idéias e ideais encontrando-se no éter digital.
E o que seria a grande teia digital senão uma teia como qualquer outra teia,
feita de nós. Muitos, infinitos nós.
Nós todos juntos na mesma rede.
E milhões de gasparzinhos na área a tingir com suas cores a sutileza do
encontro de Raima com a Princesa da Terra da Poesia Sem Fim.
Caiu petróleo na seda branca da história...

Mas a magia do encontro ficará indelével na mente e no coração dos jovens
poetas.
O poema da vida não pode parar. Quanto mais nos apercebermos da
realidade e da responsabilidade da dimensão digital, mais prazer encontraremos no devir e o porvir.

Agradeço a ti por este momento único que passei aqui, a ela por ser a fada da história
passando em tua vida e despertando percepções sutis, a todos os amigos e contatos virtuais que só me fizeram bem, um bem enorme que me reservou a vida na última década.
Muito obrigada, Raima.

Alicia disse...

bonito!
é o que importa. sem-sentido.
é o que nos faz viver.

Renata LuS disse...

Não tenho palavras...ou melhor digo só uma Lindo.
Obrigada!...Como sempre textos maravilhosos.beijokas